“A Jornada é o fortalecimento de um projeto popular para a agricultura”

Por Maura Silva

Em entrevista, Odilon Burgath, prefeito de Irati, fala sobre a importância de receber na cidade o maior evento de agroecologia do país.

Irati, cidade localizada a 150 km de Curitiba é palco da 14ª Jornada de Agroecologia. A região conhecida pela mescla de diferentes etnias (especialmente polonesa e ucraniana), também concentra um grande número de produtores rurais.

Para o prefeito Odilon Burgath (PT/PR), a “Jornada de Agroecologia é um espaço onde o debate sobre a alimentação saudável, livre de agrotóxicos, será politizado”. Burgath ainda ressalta que a jornada “é um momento de troca experiências e fortalecimento na construção de um projeto popular e soberano para a agricultura”.

Foto: Leandro Taques

Foto: Leandro Taques

Também conhecida por ser a cidade do Paraná com o maior número de pacientes em tratamento contra o câncer, o prefeito de Irati que enxerga na agroecologia a saída para que a população iratiense tenha uma vida mais saudável e de qualidade,identifica esse status com preocupação.

Segundo pesquisas, desde 2008,o Brasil é o país que mais consome agrotóxico no mundo, embora não seja o campeão mundial em produção agrícola. Em 2013 foram consumidos um bilhão de litros de agrotóxicos – uma cota de 5 litros por habitante. No país são usados agrotóxicos que foram proibidos em 1985 na União Européia, Estados Unidos e Canadá.

Confira abaixo a entrevista concedida pelo prefeito à comunicação da 14ª Jornada de Agroecologia.

Qual a importância de um evento como a Jornada Agroecológica ser realizada em Irati?

Desde 2014 nos colocamos à disposição para receber a Jornada de Agroecologia aqui na cidade. Desde o começo do meu mandato temos procurado manter um viés de apoio com esse tema. Uma preocupação que não existia anteriormente. Conseguimos construir o primeiro departamento de agroecologia, lançamos parcerias e convênios com o Ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA). Por isso, receber a Jornada e estar em contato com produtores e consumidores diretos, pessoas que tomaram para si a luta pela alimentação saudável é tão importante para a cidade. Nós ainda estamos semeando pra colher frutos adiante, essas iniciativas com órgãos e departamentos que fomentam a agroecologia nos dá margem para desenvolver ações com base nesse aparelhamento.

De que maneira a cidade pensa agroecologia, dentro disso, quais as medidas tomadas pela sua gestão para inseri-la na vida dos iratienses?

Eu venho do setor de educação, dos sindicatos, meu vice-prefeito Renato Berger, é um pequeno agricultor, já trabalhou com agroecologia. Sabemos que sem a terra nada acontece. Eu estive na Bolívia recentemente no encontro do Papa Francisco com Movimentos Sociais, na ocasião, o que ficou marcado foi a fala do pontífice: “Nenhuma família sem casa, nenhum camponês sem terra, nenhum trabalhador sem direitos, nenhuma pessoa sem a dignidade que o trabalho dá”. Essa afirmação do líder máximo da igreja católica nos deixou claro que essa é uma preocupação que precisa sair do campo das ideias e ir para prática. Criamos o armazém solidário que comercializa produtos da agroecologia. Queremos ter fomento para projetos com grades compartilhadas. Com isso, a ideia é conseguir recursos para que, através de seminários e de projetos de educação, possamos conscientizar as famílias sobre a importância de ter na mesa alimentos de qualidade. Assim, faremos com que a agroecologia seja cada vez mais inserida na vida dos iratianos.

Qual a importância da Reforma Agrária para a região?

Nosso objetivo é fazer um número maior de parcerias para exigirmos a regularização fundiária. Na região temos cerca de 50 famílias no acampamento Mário Lago, somos solidários a luta dessas famílias. A prefeitura de Irati está estendendo as mãos para todos aqueles que querem pensar junto conosco um projeto de Reforma Agrária popular para a cidade. Vamos entregar para o ministro Patrus Ananias uma carta com todas as demandas da cidade nessa pasta. Esperamos que a política de regularização fundiária saia do papel e aconteça na prática. Essa e uma luta de todos nós.

De que maneira uma alimentação saudável e de qualidade vai interferir no bem estar da população de Irati?

Infelizmente, Irati é a cidade do Paraná que mais tem pacientes se tratando de câncer em hospitais especializados do estado. Sabemos que a liberação do uso de sementes transgênicas no Brasil foi uma das responsáveis por colocar o país no primeiro lugar do ranking de consumo de agrotóxicos, uma vez que o cultivo dessas sementes modificadas exigem o uso de grandes quantidades desses produtos. Esperamos com essas medidas reduzir esse número, muda esse aspecto de nossa cidade. Alimento saudável é sinônimo de saúde, que significa uma população mais equilibrada e feliz.



Desenvolvido pela Cooperativa EITA