Guerreira até no nome

Maria Flor Guerreira, indígena da etnia Pataxó com todo o orgulho, discursa na 18° Jornada de Agroecologia do Paraná e se posiciona com relação à política do atual presidente.

*Por Jéssica Blaine (UFPR), com orientação de profº Toni André Scharlau Vieira

Durante a programação deste sábado (30) na Praça Santos Andrade, localizada em Curitiba (PR), vários indígenas estiveram presentes, sendo que a maioria eram estudantes da Licenciatura Indígena da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Fizeram apresentações, pronunciaram honrosos gritos de guerra, segurando cartazes que continham frases como “Território, nosso corpo, nosso espírito”, além de pronunciarem discursos que transbordavam força e determinação.

A manifestação aconteceu durante o show de músicas e hinos da luta mundial contra o fascismo da banda Partigianos. Mas o que realmente captou a atenção de todos aqueles que ali estavam foram as palavras de reivindicação da indígena Maria Flor Guerreira.

Posicionando-se com relação à recente fala do atual presidente, que desdenha a demarcação de terras indígenas, a grande Guerreira começa pronunciando uma frase que sintetiza a vida de todos os indígenas que lutam sem parar por suas terras: “Círculo por aí porque indígenas não possuem fronteiras”.

Logo em seguida, disse que não têm vergonha, e sim orgulho de ser indígena e de lutar por um planeta melhor. Também elogiou o Movimento dos Sem Terra, dizendo que dividem a mesma garra e coragem em busca de seus direitos.

Se dirigindo ao público, convidou todos à amarem e preservarem o meio ambiente:“Temos que parar de pensar no eu e pensarmos no nós. Nessa vida temos duas mães, a mãe útero e a mãe terra”

Ressaltou o tamanho respeito que possuem, tanto ao ser humano, como à natureza, dizendo: Não separamos o nosso corpo da terra”. Finalizando seu discurso, como uma lutadora pela democracia, apontou para sua camiseta com a imagem do ex-presidente e pronunciou em alto e bom som:“Lula livre” E todos a acompanharam.


Tagged:


'Guerreira até no nome' tem 2 comentários

  1. 1 de setembro de 2019 @ 13:27 Fabricia dos santos oliveira

    É muito linda essa guerreira mulher onesta,lutadora,integra,que levar orgulho a todos sem medo de perder vai luta essa é a Maria exemplo de mulher 😍

    Responder

  2. 1 de setembro de 2019 @ 13:59 Maria florguerreira

    Gratidão pela oportunidade de expressar publicamente sobre quão valoroso é o MST e esta feira de Agroecologia.Gostaria ainda de deixar registrado que a fala que fiz é do coletivo de indígenas que estavam presente na 18°feira de agroecologia. Um grande abraço e Lula Livre.

    Responder


Gostaria de deixar um comentário?

Your email address will not be published.

Desenvolvido pela Cooperativa EITA