18ª Jornada de Agroecologia conquista diálogo entre campo e cidade

Feira que ocorreu ao longo do evento comercializou aproximadamente 15 toneladas de produtos agroecológicos.

Por Lu Sudré, do Brasil de Fato.

Quatro dias de oficinas, seminários, debates, trocas e reflexões sobre a importância da produção de uma alimentação saudável. Assim foi a 18ª Jornada de Agroecologia, que se iniciou no dia 29 de agosto e terminou neste domingo (1º).

Mais de cem agricultores de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco e, principalmente, dos assentamentos e cooperativas do estado do Paraná, participaram da Feira da Agrobiodiversidade que ocupou a praça Santos Andrade, no centro da capital paranaense. 

A estimativa é que mais de dez mil pessoas tenham participado do evento como um todo. Segundo o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), foram comercializados aproximadamente 15 toneladas de alimentos agroecológicos como hortaliças, raízes, frutas, legumes e laticínios.  

Segundo Naiara Bittencourt, da Terra de Direitos, uma das 69 organizações que realizaram a Jornada, o grande número de participantes evidencia como o evento fortaleceu o diálogo entre o campo e a cidade sobre a importância de uma alimentação saudável. 

“Pudemos perceber que os trabalhadores da cidade conversavam com os feirantes, queriam saber da onde vinha aquele produto, como ele era produzido, qual a relação que se tinha com aquele alimento. As pessoas participaram de muitas oficinas sobre agrotóxicos, um debate que congrega os trabalhadores do campo e da cidade”, destaca. 

Bittencourt complementa que a edição da Jornada de Agroecologia esse ano foi diferenciada porque, pela segunda vez, foi realizada na capital. As edições anteriores aconteceram em outros municípios de Curitiba. 

Estar no centro do estado potencializou a troca entre os trabalhadores urbanos e os agricultores. “Os camponeses trouxeram sua diversidade de cores, de sabores, de culturas e mostraram para o consumidor, pro trabalhador da cidade, que é possível um outro modelo de agricultura que seja sustentável e respeite as relações ambientais e sociais”. 

Ela destaca que na atual conjuntura política do país, essa unidade é essencial pois, tanto o campo quanto a cidade, sofrem a ofensiva de um projeto que pretende retirar direitos, desmontar relações de trabalho e ferir a soberania nacional.  

A Feira da Agrobiodiversidade aconteceu na Praça Santos Andrade, no centro de Curitiba (Foto: Vanessa Nicolav)

Além da imensa variedades de produtos, mais de 25 apresentações culturais ocorreram durante a Jornada. 

Armelindo da Rosa, do setor de produção do estado do Paraná do MST, elogia o sucesso de vendas da feira. Ele também avalia que, por meio do diálogo, bandeiras erguidas pela Jornada, como o repúdio ao uso dos agrotóxicos e transgênicos, foram muito bem recebidas.

“A nossa pauta vem ganhando espaço, vem ganhando força diante dessa conjuntura. Comparando com ano passado, foi bem mais leve. Muitas pessoas vieram, tivemos espaços em meios de comunicação que não tivemos em outros momentos. De fato, a pauta da produção dos alimentos, da defesa da natureza, dos cuidados com a vida, vem ganhando força”, comemora. 

Durante o ato de encerramento da Jornada neste domingo, os agricultores leram uma carta reafirmando a resistência popular contra os atuais retrocessos protagonizados contra Bolsonaro, contra o agronegócio e a enorme quantidade de agrotóxicos liberados em ritmo sem precedente: Em apenas oito meses de governo, 290 novas substâncias tóxicas foram registradas.

“A Jornada é um processo permanente e contínuo de trocas de saberes: no cultivo da terra, no semear da agrobiodiversidade e no cuidar da água, na colheita da soberania alimentar, no uso das plantas medicinais e terapias naturais, nas escolas do campo, nos conhecimentos dos guardiões e guardiãs das sementes e na ciência cidadã. É uma construção de projeto popular soberano, com arte, cor, sabor, amor, cultura, poesia e alimento saudável”, afirma a Carta da 18ª Jornada da Agroecologia

Edição: Daniela Stefano



'18ª Jornada de Agroecologia conquista diálogo entre campo e cidade' não possui comentários

Seja o/a primeiro/a a comentar!

Gostaria de deixar um comentário?

Your email address will not be published.

Desenvolvido pela Cooperativa EITA