Imagem padrão

Wellington Lenon Ferreira Lima

Movimentos populares defendem a agroecologia como o modelo de produção de alimentos

“Essa Jornada de Agroecologia é uma espécie de colheita do que nós construímos ao longo desses 17 anos de giro no Paraná”, avalia Roberto Baggio, integrante da 17ª Jornada de Agroecologia e do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). A atividade foi realizada em Curitiba, entre os dias 6 e 9 de junho, e reuniu mais de 10 mil participantes.

Carta da 17ª Jornada de Agroecologia

Nós, povos do campo, da cidade, das águas e florestas, representados por mais de 10 mil participantes, oriundos do Paraná, de outros 6 estados brasileiros e de mais de 25 países, construímos a 17ª Jornada de Agroecologia e transformamos Curitiba, a capital da arquitetura do golpe, na capital da luta popular e da luta pela alimentação saudável. E com esse compromisso e admiração nos unimos às trabalhadoras e aos trabalhadores que permanecem firmes em vigília há mais de 60 dias pela democracia e pela liberdade do presidente Lula.